0 Shares 627 Views

Perspectivas Otimistas para o Comércio Eletrônico

Redação set 05, 2016
0 628

Escrevo este artigo para compartilhar algumas informações com relação ao comércio eletrônico que podem lhe trazer novos horizontes para a alavancagem dos seus negócios.

Comparado com o varejo restrito no Brasil, o e-commerce representou 3,3% das vendas totais no país. Com o crescimento de 3% no volume de pedidos no ano de 2015, o e-commerce movimentou aproximadamente 41,3 bilhões, o que representa o aumento nominal de 15,4% comparado ao ano de 2014. E, mesmo com a alta do dólar, 54% dos consumidores realizaram pelo menos uma compra em sites internacionais no ano de 2015 (Ebit-Buscapé).

No que diz respeito à distribuição de vendas por regiões do Brasil, tem-se o seguinte panorama, de acordo com os dados do e-bit/Buscapé de 2015:

tabela

Fonte: Ebit/Buscapé

As top 5 categorias mais vendidas em 2015 por volume de pedidos e faturamento (Ebit/Buscapé) foram:

quadro

No que diz respeito ao perfil dos consumidores por faixa etária e sexo em 2015 tem-se: entre 35 e 49 anos – 39%; acima de 50 anos – 33%; entre 25 e 34 anos – 21%; até 24 anos: 8%, sendo 50% do sexo masculino e 50% do sexo feminino (E-bit/Buscapé).

Com relação às expectativas para 2016, dados da pesquisa E-bit/Buscapé apontam que a perspectiva é que o faturamento do e-commerce tenha um crescimento nominal de 8% atingindo um total de R$ 44,6 bilhões. Diante de um ambiente de total instabilidade tanto política quanto econômica, o varejo brasileiro deve apresentar nova queda, em contrapartida, o comércio eletrônico deve apresentar um crescimento. A estimativa para o tíquete médio é que tenha um crescimento de 8% em relação ao ano anterior, atingindo o valor de R$ 419,00.

Contudo, para tracionar os resultados digitais é importante considerar além dos números e dados de mercado: marketing 2.0; estratégias de posicionamento da marca e inserção nos marketplaces como CNOVA (Extra, Casas Bahia, Ponto Frio); B2W (Submarino, Americanas, Shoptime), Walmart, Mercado Livre, Grupo NETSHOES (Netshoes e Zattini), Grupo GFG (Dafiti, Kanui e Tricae), Magazine Luiza, Carrefour, pois são sites de bastante tráfego, que recebem milhares de pedidos por dia.

Percebe-se que os dados apresentados são bastante otimistas, sendo que ao emergir no varejo eletrônico é necessário pensar em caminhos para crescer com sustentabilidade e com um mix de produtos atrativo ao consumidor, preços competitivos e bem calculados com base em mark-ups que impliquem em rentabilidade das operações on-line. Afinal, o que conta no final do dia é o resultado, pois nem sempre um faturamento exorbitante significa lucro, visto que é o resultado que aponta o superávit ou déficit das vendas.

Nôga

Nôga Simões: Coordenadora de Inovação e Relacionamento com Marketplaces na DB1 Global Software, empresa desenvolvedora do produto ANYMARKET, plataforma de integração e operação com Marketplaces. Simões é Mestranda em Administração de Empresas com ênfase em Marketing, pela Universidade Estadual de Maringá. MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas.

logo anymarket

 

 

You may be interested

Capacitação, Eventos, Notícias
0 shares157 views

Você sabe o que é ABComm?

Redação - mar 23, 2017

Você sabe o que é ABComm? ABComm é a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico. Não somos somente uma empresa organizadora eventos. A ABComm é…

Eventos, Eventos e Publicações, Notícias
0 shares365 views

Prêmio ABComm de Inovação Digital

Redação - mar 21, 2017

Terceira edição do Prêmio ABComm de Inovação Digital acontece dia 04 de abril Vencedores de dez categorias do comércio eletrônico serão conhecidos durante evento…

Legislação no E-commerce, Notícias
0 shares659 views

“Internet limitada” e a contrariedade ao Direito Brasileiro

Notícias - fev 14, 2017

Limitar o acesso à internet parece ser um tema que não sairá da pauta dos lobistas de plantão. Não podemos ser ingênuos: dizer…

Leave a Comment

Your email address will not be published.

2 × quatro =

Most from this category