Carregando...
JURÍDICO E TRIBUTÁRIO

Como descomplicar a contabilidade para o seu e-commerce

Como descomplicar a contabilidade para o seu e-commerce

Ah, as vendas online…! E-commerce descomplicado

O e-commerce tem conquistado o seu espaço entre os empreendedores, principalmente nos últimos meses em função da pandemia de Covid-19, onde teve um crescimento de 75%! Mas não é só isso. Muitos negócios, desde a implementação dos seus e-commerces, têm apresentado faturamentos impressionantes e esse sucesso também tem inspirado mais pessoas a terem o seu próprio negócio.

Se você chegou aqui, provavelmente a ideia de ter um e-commerce já passou ou está passando pela sua cabeça, acertamos?

No entanto, antes de qualquer tomada de decisão na hora de abrir o seu e-commerce, é preciso estar atento a diversos aspectos que envolvem sua implantação, principalmente aqueles que estão ligados às questões de contabilidade para este modelo de negócio, o que inclui as obrigações legais e fiscais.

Quer saber como formalizar o seu e-commerce? Vem com a gente:

Regularizando seu e-commerce

A regularização do seu e-commerce tem início no momento em que a sua “empresa” é aberta, mediante o registro do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) na Junta Comercial e na prefeitura. Com isso, além de transmitir mais profissionalismo e credibilidade ao seu negócio, você poderá emitir notas fiscais, ter acesso a financiamentos e empréstimos diferenciados, comprar produtos no atacado ou direto com fornecedores.

Regime tributário no e-commerce

Quando o assunto é regime tributário, existem quatro formas de se cadastrar como pessoa jurídica. Portanto, escolher a que melhor se enquadra ao seu negócio é fundamental para otimizar tempo e evitar custos desnecessários, impactando negativamente no financeiro da empresa. Além do mais, é muito importante ter uma gestão mais assertiva para realizar a contabilidade de forma correta do seu e-commerce.

Como saber o ideal para minha empresa?  Nós explicamos: para as empresas que faturam até R$ 78 milhões por ano ou mais, as indicações são o Lucro Presumido e Lucro Real. No entanto, a maioria dos e-commerces de pequeno e médio porte se enquadram nas categorias do MEI ou Simples Nacional, já que essas categorias oferecem melhores condições tributárias, principalmente para quem deseja começar um negócio agora ou está no início das operações.

Outro ponto interessante a se levar em consideração é que muitos empreendedores possuem metas bem claras de faturamento em seus planejamentos, podendo ultrapassar os valores que a categoria MEI permite. Entretanto, a dica é começar como MEI e, conforme o crescimento do negócio, realizar a migração para outro regime que seja compatível.

Mas, você não precisa se preocupar com isso porque aqui te ajudamos a definir qual será o regime ideal para iniciar seu e-commerce de sucesso!

Dica:  MEI e ME conheça as diferenças e entenda quando vale a pena migrar

Microempreendedor Individual (MEI)

Adotado por muitos profissionais autônomos ou em empreendimentos que apresentam faturamento de até R$ 81 mil por ano, a MEI acaba sendo uma boa opção para quem está começando. Isso porque, por meio dela, não é obrigatória a emissão de nota fiscal por suas vendas. Além disso, o registro do CNPJ é feito no Portal do Empreendedor e regularizado na prefeitura. Já em relação aos custos, o empreendedor que optar por ela terá que pagar mensalmente um carnê (DAS) com valores que variam de acordo com a natureza do negócio.

Até aqui, tudo bem? Agora vamos falar um pouquinho sobre impostos e tributações!

Simples Nacional

Voltado para as empresas que faturam até R$ 4,8 milhões ao ano, neste modelo as empresas pagam impostos de acordo com o seu tamanho, atividade e faturamento, sendo a arrecadação por meio de impostos federais: IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI; INSS (previdência); ICMS (estadual) e ISS (municipal). É aqui que grande parte dos empreendedores querem estar!

Por dentro do seu lucro

Saber exatamente quanto o seu negócio está rendendo, bem como o nível de lucratividade é essencial para a longevidade da sua empresa. Portanto, tenha o hábito de gerar relatórios em relação às entradas e saídas de dinheiro para ter uma melhor noção dos gastos x lucros. Esteja atento também ao seu lucro líquido!

Tributação

Estar sempre atento aos prazos e em todos os processos de pagamento, principalmente garante que você esteja pagando corretamente e somente o necessário. Por isso, é muito importante poder contar com uma assessoria contábil especializada para orientá-lo em cada passo do seu negócio, e melhor que isso, cuidar dessa “preocupação” por você!

Além disso, os períodos de tributação para o e-commerce são os mesmos dos comércios físicos. A declaração de imposto de renda é a mais comum. Assim, a dica é se preparar e organizar os recibos, além de se informar sobre as entregas dos documentos, bem como realizar pagamentos.

Atenção aqui: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS)

É importante lembrar que o ICMS configura um imposto de competência dos Estados, incidindo sobre operações relativas à circulação de mercadorias e algumas prestações de serviços. Por isso, para as empresas que possuem transações comerciais e atividades de transporte interestadual, intermunicipal e comunicações, poderá ocorrer a incidência desse imposto, que varia de acordo com cada Estado.

Diante dessa burocracia toda, uma alternativa é avaliar minuciosamente os custos e as operações do seu e-commerce, além de identificar os Estados que o seu negócio realiza a maior parte das vendas antes de iniciar o processo de Inscrição Estadual, que é indispensável para sua loja virtual, isso porque – sem a inscrição – você está sujeito a ter que recolher o ICMS toda vez em que for emitir uma nota fiscal. E vamos combinar, ninguém aqui quer um imposto extra, não é mesmo?

Além disso, outro fator a ser levado em consideração está diretamente ligado ao fato de que o lojista, no caso você (!), ao realizar uma venda, também é responsável por calcular a diferença dos valores do ICMS do Estado de origem para o Estado de destino, que ficam ao encargo do Estado de origem. Entendeu?

Bem, você não é obrigado a entender tudo isso, mas, antes de abrir o seu negócio, procure se informar com quem realmente entende do assunto, como uma assessoria especializada, a qual irá auxiliá-lo no passo a passo, desde a abertura do seu negócio até os trâmites tributários, estruturando o seu e-commerce com qualidade e um baixo custo, sem riscos de punições ou multas.

Gostou das nossas dicas? Nós estamos aqui para ajudar você a resolver toda a burocracia e poder realmente focar no crescimento do seu negócio. Se ficou alguma dúvida ou quer saber mais como podemos te ajudar neste processo, acesse www.contabilhub.com.br e fale com um de nossos especialistas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 8 =