Carregando...
GESTÃO

Empreendedores de primeira viagem: o que é preciso saber?

Empreendedores de primeira viagem: o que é preciso saber?

Com o crescimento do e-commerce, muitos empreendedores surgiram no meio online e precisaram regularizar seus negócios, ter um CNPJ e estar em dia com os órgãos reguladores das empresas no Brasil. Para vender, é preciso ter uma empresa, seja micro ou grande, para poder emitir as suas notas fiscais e dar ao cliente a melhor experiência de consumo possível. Neste artigo, vamos abordar algumas questões que os empreendedores de primeira viagem precisam saber na hora de abrir uma empresa. Confira!

Tipos de empresa: entenda as diferenças!

Muitos negócios começam pequenos e vão crescendo aos poucos, principalmente no e-commerce, onde o lojista inicia com uma operação e rapidamente acaba crescendo. Mas para pensar no formato do registro do seu negócio é precispo entender qual o tipo de empresa que deseja constituir:

  • Sociedade limitada (LTDA.);
  • Sociedade anônima (S/A);
  • Microempreendedor individual (MEI);
  • Sociedade individual;
  • Empresário individual.

As informações com relação ao tamanho do negócio constam contrato social onde também é determinado o investimento inicial para a operação acontecer. 

Dicas para abrir uma empresa:

  • Estude o mercado e entenda os concorrentes a fim de entender quais são as oportunidades para o seu produto ou serviço dentro do cenário atual;
  • Pense nas possibilidades de o negócio ter um local físico ou precisa somente estar no virtual para acontecer. 
  • Informe-se quais as questões legais para iniciar a operação, como encaminhamento de documentos, licenças, alvarás e notas fiscais. 

Solicitação do CNPJ, como funciona: 

O CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) é emitido pela Receita Federal, e a solicitação pode ser feita online ou através de um profissional contratado com este fim (como um escritório de contabilidade). Após a solicitação é preciso aguardar a chegada do recibo para que você possa acompanhar pelo site da Receita Federal a sua solicitação. 

Caso a solicitação não puder ser concluída, você será informado do problema em questão e como resolvê-lo. Os documentos aprovados recebem o nome de Documento Básico de Entrada (DBE) no CNPJ.

Após esse processo, basta imprimir a papelada do DBE e enviá-la à Receita. O prazo estipulado para a conclusão desse procedimento varia de acordo com o município e o número de pedidos diários. 

E após ter o CNPJ, o que é preciso verificar?

Com o CNPJ pronto, o empreendedor precisa providenciar os alvarás e as licenças pertinentes ao seu ramo de atividade. O alvará é a autorização a nível municipal para abrir as portas da sua empresa e para obter esse alvará você precisa verificar diretamente com a prefeitura de sua cidade as particularidades exigidas. As autorizações ou licenças são particulares e intransferíveis de cada empresa. Enquanto algumas empresas poderão precisar de uma licença ambiental, outras necessitarão de um alvará dos bombeiros e outras ainda não precisarão de licenças nem alvarás. 

Empreender online e offline:

Não há muitas diferenças entre abrir uma empresa física e uma virtual. O que o empreendedor de e-commerce acaba otimizando é no valor de locação de espaço como escritório ou loja física, mas o registro de localização precisa ser feito para constar no CNPJ e na Nota Fiscal que será emitida aos clientes. Mas em ambos os casos é preciso pensar em um capital inicial para a operação, seja de fluxo de caixa ou investimento em estoque. 

Ambas operações é preciso pensar na emissão de notas fiscais como um processo para manter o seu negócio em dia com a Receita Federal. 

Para que a emissão de notas seja feita, é preciso ter o CNPJ cadastrado e definir se a empresa se encaixa na modalidade MEI que pode emitir as notas diretamente pelo sistema da SEFAZ, ou se fará o processo através de um sistema de gestão ERP. 

Além de emitir as notas, o sistema de gestão também auxilia em demais processos de gestão desde o cadastro de produtos, listas de fornecedores, integração à operações logísticas de entrega, automatização de estoque e vendas, e integração aos canais de venda híbridos e marketplaces. 

Ou seja, o sistema de gestão é uma ferramenta necessária para formalizar o negócio e para que as vendas ocorram dentro da lei, com maior segurança para o negócio e também para o consumidor.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + seis =